Pular para o conteúdo principal

Se o homem pudesse colocar arco-íris em zoológico, ele o faria.

A frase no título é do Calvin e Haroldo. Eu a escolhi para falar sobre a famigerada temporada de caça às focas, que teve início no Canadá.
Logo explico, não sou vegetariano. Como carne. Acredito que faz parte da nossa alimentação assim como a zebra para o leão, ou a foca para o tubarão, mas isso não justifica crueldade. Se dependesse de mim, o abate seria diferente, mas a coisa com as focas não são nem para a alimentação, é para o luxo.

Abaixo, segue um texto que escrevi sobre o assunto, na temporada de 2006:

Quem se importa com algumas focas?

Ora, está aberta a temporada de caça as focas no Canadá. E daí? Grande coisa. Tem focas aos montes no Canadá. Quem se importa com uns bebês bonitinhos, inocentes e indefesos? A população de foca está crescendo mesmo, e esses bichos vem atormentando alguns canadenses.

Segundo reportagem da Reuters, "o os caçadores alegam que a caça alimenta a economia local com a venda das peles e ajuda a manter a população de focas sob controle".

Então, se não comprarmos peles, não há interesse em matar essa focas. Compreende?

A propósito a população humana vem crescendo também e esses bichos também tem incomodado os canadenses. Não só os canadenses como também o resto da humanidade e os outros animais. Portanto, acho que devemos seguir o exemplo dado por nós mesmos. Talvez colocar em cada maternidade (sugiro começar pelo Canadá) um homem com um bastão de pau, tacape, machado ou até mesmo um leão marinho, um leão, um tigre, um urso, ou qualquer outra coisa. E assim que a criança atravessar a vagina da mãe *PAF* toma uma paulada ou tem a cabeça arrancada pelo animal faminto. Não entendo porque tanta guerra contra o Terror, porque tanta indignação com a história do bebê jogado no rio. Será que ela se deve ao fato de não terem retirado a pele do bebê?

Afinal ... estamos mantendo a população de homens sobre controle.


Quem derá fosse piada de primeiro de abril.

Por: Conrado Tramontini
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Quem poupa o lobo, sacrifica a ovelha

Na semana passada, um conflito entre polícia e moradores da favela Paraisópolis em São Paulo, virou notícia. Segundo os jornais "a morte do traficante e ladrão Marcos Purcino, de 25 anos, durante uma troca de tiros com policiais militares no domingo à tarde, desencadeou a revolta de moradores da favela. Segundo o chefe do Comando de Policiamento de Área Metropolitano-5 (CPA/M-5), coronel Danilo Antão Fernandes, o protesto foi causado pela morte de Purcino, um foragido da Justiça com duas condenações por roubo".

Isso só me faz lembrar da citação atribuída a Victor Hugo "Quem poupa o lobo, sacrifica a ovelha"

ou a citação completa:

A compaixão nem sempre é uma virtude. Quem poupa a vida do lobo, condena a morte as ovelhas. (Victor Hugo)


por: Conrado Tramontini

Panis et circensis

Eu fico assombrado com o poder da mídia e a sinergia de pensamentos motivados por acontecimentos. Dia desses estava pensando em um texto justamente sobre o poder de influência da mídia sobre as atitudes e o comportamento na sociedade e sobre o papel que ela desempenha no que é conhecido sobre "política do pão e circo" muito em voga no Brasil atualmente - inclusive hoje enviei um e-mail com esse enfoque para a revista Veja, mas isso não vem ao caso. Enfim, o que observo é que as novelas, os filmes, os shows, as micaretas, as "baladenhas", o futebol, tudo isso nos aliena dos demais fatos em nossa sociedade. Ficamos tão entretidos com nossa diversão (aqui talvez exista um pleonasmo) que somos desviados do que acontece no resto do mundo - por resto do mundo, me refiro a 100 metros de onde estamos - e isso cria um lugar ideal para a proliferação de fungos, bactérias e pessoas desonestas, a base para a permissividade toma conta do país.
Não vejo isso com…

Meu pedido de noivado.

Não há melhor forma de manter uma memória que a escrever, e não recordação mais precisa, porém efémero, que nossa memória. Recordo-me de sentir a expectativa pela abertura das cortinas que se assomava dentro do teatro e pela qual eu já estava acostumado. Eu estava ansioso por outra coisa repetidamente colocava a mão em meu bolso para sentir o canto do metal em meus dedos e então voltava para ajustar a câmera fotográfica. Eu ainda tinha dúvidas se deveria realmente fazê-lo da forma que eu estava premeditando. Até aquele momento ninguém sabia, somente eu. Chequei os bolsos mais algumas vezes. A decisão de agir já estava tomada havia algum tempo. Sim, eu iria pedi-lâ em casamento, mas quando, como e onde foram respostas que vieram depois, com algumas sugestões sutis. Acho que uma primeira sugestão foi quando estava assistindo, descompromissado, um reprise de Friends e o Ross e a Rachel invetam uma história sobre um pedido de noivado e depois ele conta como teria feito o pedido e ele descre…