Pular para o conteúdo principal

Você crê no absurdo?

Eu não havia planejado escrever nada relacionado a religião, mas ao rever uma foto que fiz, de  um casal de amigos, que a muito tempo se dedicam de alguma forma a sua fé, o que inclusive levou os dois a se encontrar me senti compelido a falar sobre a sensação que tive no momento daquela foto, e em outros momentos.

A foto foi feita na capela de São Benedito e Sant´Anna, em Maresias; estávamos de férias na cidade e os dois estavam buscando uma capela para o Domingo e quando a encontramos, entraram para uma breve oração.

Aquela cena reforçou uma reflexão que tenho frequentemente, de que pessoas muito bem cientes e orientadas que são dedicadas a sua fé por uma razão pessoal, uma escolha consciente.
Dentre os vários momentos em que tive essa percepção, está o momento em que conversei com o pároco da igreja onde casei e as imagens do conclave para a escolha do papa, onde observei pessoas em diferentes situações dentro da igreja católica e que dedicam muito do seu tempo, de sua vida, a sua fé.

O escritor de "A vida de Pi" narra algo semelhante no livro, que inclusive o transcreve melhor do que eu conseguirei fazer aqui.

Hoje é fácil encontrar argumentos de que a fé, as crenças, deus ou deuses são apenas invenções humanas para que pessoas tenham poder sobre os outros, de que aquele que crê é um tolo, e de que o fato de a ciência é uma antítese a fé.

Mas quem coloca esses argumentos normalmente o faz de forma pública, como uma afirmação a si mesmo e a um público de sua sabedoria, mas de forma vazia, imposta e até infantil.

O contrário também é verdade, existem muitas pessoas professando sua fé aos quatro ventos, a impondo sobre os demais que, segundo a pessoa, estão fadados a danação eterna por não se comportar exatamente como ela.

Normalmente essas duas atitudes são as que ganham destaque pela sua voracidade, mas me parecem - ambas - alheias a realidade. Jack London escreveu em "Lobo do Mar" sobre a vida inspirar idéias santas em alguns homens, que faz com que outros vejam Deus, ou o inventem quando não podem vê-lo.
Isso tem acontecido com muita frequência para as pessoas que são muito pressionadas a encontrar um deus.

Eu fui criado com base no catolicismo, mas nada nunca me foi imposto, meu pai se diz uma pessoa cética e conhece muito sobre ciência e tecnologia enquanto minha mãe expõe sua fé com mais frequência, mas nenhum dos dois nunca nos impôs nada e nos deixou livres em nossa busca.

Para mim, a ciência e religião não são universos que se anulam, mas que coexistem de forma paralela. Cada um tem suas propriedades e características, quase que complementares. A ciência não vai explicar o espiritual, pois se houvesse explicação, seria ciência. Uma frase "Creio porque é absurdo", atribuída a Tertuliano, explica muito bem isso.

Eu ainda não sei definir no que creio e como creio, mas saber de coisas que a Lua - que foi gerada quando nosso planeta estava se formando, por uma colisão de um asteroide com a Terra, empurrado em um momento muito particular do nosso sistema Solar - é muito importante para manter a Terra girando de forma precisa e regular as marés, permitindo que assim exista vida, o Sol nascer dia após dia para nos aquecer, me parecem um milagre muito maior do que a maioria das pessoas esperam ver, para crer, e me trazem a sensação de uma orquestração muito maior do que o acaso possa fazer, e enxergar isso como uma constatação pessoal, me parece muito mais real e espiritual do que muitas pessoas tentam impor ou anular.

Eu ainda não sei no que creio, mas acredito nas ações tão pessoais e privadas como as de um casal de amigos, fazendo uma breve oração em uma igrejinha centenária a beira da praia em um passeio de domingo.

por: Conrado Tramontini

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Quem poupa o lobo, sacrifica a ovelha

Na semana passada, um conflito entre polícia e moradores da favela Paraisópolis em São Paulo, virou notícia. Segundo os jornais "a morte do traficante e ladrão Marcos Purcino, de 25 anos, durante uma troca de tiros com policiais militares no domingo à tarde, desencadeou a revolta de moradores da favela. Segundo o chefe do Comando de Policiamento de Área Metropolitano-5 (CPA/M-5), coronel Danilo Antão Fernandes, o protesto foi causado pela morte de Purcino, um foragido da Justiça com duas condenações por roubo".

Isso só me faz lembrar da citação atribuída a Victor Hugo "Quem poupa o lobo, sacrifica a ovelha"

ou a citação completa:

A compaixão nem sempre é uma virtude. Quem poupa a vida do lobo, condena a morte as ovelhas. (Victor Hugo)


por: Conrado Tramontini

Panis et circensis

Eu fico assombrado com o poder da mídia e a sinergia de pensamentos motivados por acontecimentos. Dia desses estava pensando em um texto justamente sobre o poder de influência da mídia sobre as atitudes e o comportamento na sociedade e sobre o papel que ela desempenha no que é conhecido sobre "política do pão e circo" muito em voga no Brasil atualmente - inclusive hoje enviei um e-mail com esse enfoque para a revista Veja, mas isso não vem ao caso. Enfim, o que observo é que as novelas, os filmes, os shows, as micaretas, as "baladenhas", o futebol, tudo isso nos aliena dos demais fatos em nossa sociedade. Ficamos tão entretidos com nossa diversão (aqui talvez exista um pleonasmo) que somos desviados do que acontece no resto do mundo - por resto do mundo, me refiro a 100 metros de onde estamos - e isso cria um lugar ideal para a proliferação de fungos, bactérias e pessoas desonestas, a base para a permissividade toma conta do país.
Não vejo isso com…

Meu pedido de noivado.

Não há melhor forma de manter uma memória que a escrever, e não recordação mais precisa, porém efémero, que nossa memória. Recordo-me de sentir a expectativa pela abertura das cortinas que se assomava dentro do teatro e pela qual eu já estava acostumado. Eu estava ansioso por outra coisa repetidamente colocava a mão em meu bolso para sentir o canto do metal em meus dedos e então voltava para ajustar a câmera fotográfica. Eu ainda tinha dúvidas se deveria realmente fazê-lo da forma que eu estava premeditando. Até aquele momento ninguém sabia, somente eu. Chequei os bolsos mais algumas vezes. A decisão de agir já estava tomada havia algum tempo. Sim, eu iria pedi-lâ em casamento, mas quando, como e onde foram respostas que vieram depois, com algumas sugestões sutis. Acho que uma primeira sugestão foi quando estava assistindo, descompromissado, um reprise de Friends e o Ross e a Rachel invetam uma história sobre um pedido de noivado e depois ele conta como teria feito o pedido e ele descre…